Na íntima com a Lari: Maktub - Não discuta com o destino & escolhendo como lidar com as dificuldades

Oi, amores! Eu já tinha um post prontinho esperando para ir ao ar hoje, mas como esse espaço sempre foi ''muito meu'', eu resolvi compartilhar com vocês algumas sensações que pude experimentar nos últimos tempos relacionadas ao Maktub que significa "estava escrito" ou melhor, "tinha que acontecer" -expressiva palavra dita nos momentos de dor ou angustia.

A cada dificuldade que enfrentamos, a cada obstáculo que se faz presente na nossa vida, surge uma oportunidade para nos alinharmos com quem somos e o que queremos viver, para olharmos um pouquinho mais para dentro de nós mesmos e percebermos onde é que o sapato está apertando, onde o desconforto está surgindo, como podemos e o que devemos fazer para alterar o meio que nos cerca de modo a estarmos mais em contato com quem realmente somos, a estarmos mais inteiros e em sintonia com o nosso coração.

A gente teima em evitar as dificuldades porque na verdade a nossa mente foi projetada para evitar todos esses desconfortos, ela foi feita para lidar com os obstáculos mais concretos, mais animais, eu diria.. Se o nosso mundinho não fosse o atual, a mente estaria preparada para encarar a dificuldade da sobrevivência e não os desconfortos da alma. Quem foi feito para lidar com toda essa parte, é o coração. Porque afinal, a gente sempre sente a direção na qual devemos seguir, o problema é que  a mente fica racionalizando criando explicações lógicas do porque devemos ir pela direita ao invés da esquerda. 
Evitamos as dificuldades e os desconfortos, não queremos experimentar o ''ruinzinho''. Mas lá, bem no fundo, a gente sempre sabe por qual estrada queremos seguir, mesmo quando a mente se coloca entre, atrapalhando esse caminho de encontro da gente com a gente mesmo. A dificuldade só existe porque a encaramos como uma dificuldade, porque não temos recursos internos suficientes para enxergarmos tudo isso como uma situação natural. 

Milhares de pessoas passam por situações complicadas todos os dias e se você é uma delas, não evite o desconforto não, olhe para ele no intuito de ''O que eu deveria fazer para eliminá-lo?'' ''O que eu teria que fazer para voltar a me sentir plena?''. Quando você obter essa resposta, talvez a sua mente se intrometa dizendo que isso não seria viável e que é uma completa idiotice. Mas eu volto a repetir, pense com o seu coração, será que não existe uma forma de viabilizar tudo isso, de tornar possível esse pedido vindo de lá de dentro? Sabe, nós fomos dotados desse ''instrumento de navegação'' poderosíssimo que é o coração, e eu volto a repetir que ele sempre nos aponta o caminho e ele sempre sabe o que quer, a mente é quem se coloca no meio e diz que o que o coração quer não é possível, não é coerente, não é viável. Porém, quando nos destinamos a seguir o nosso pedido interno, percebemos que a mente não foi feita para isso.. Ela foi feita para nos ajudar a atravessar a rua - Olhe para os dois lados porque se não o carro passa por cima!- ela nos serve somente para polarizar, para ponderar, mas quem decide, quem aponta o caminho, é o coração. 
Os desconfortos devem ser encarados como uma forma do seu ''Eu superior'' mostrar a você que o coração não está contente, que algo está errado ali dentro.. Talvez coisas que estavam passando desapercebidas em um momento de plenitude. Ou você pode achar que a vida é uma grande injustiça e que não vale se quer, a tentativa de ser feliz porque afinal, vamos morrer um dia. A escolha é sua. Completamente sua, eu diria!



8 comentários:

  1. era o que eu precisava ler lari!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, Ca!! Fico feliz se te ajudou de alguma forma, foi de coração.

      Excluir
  2. Disse tudo amiga, amei o texto e sua força expressada nele.
    Boa quarta-feira!
    Fica com Deus!
    Beijo!

    http://nannacunha.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oii Lari,
    Adorei o texto, acho que seria muito mais fácil de todas as pessoas colocassem o coração em primeiro lugar, acho que o mundo seria melhor, mas como adultos nem sempre isso é possível, por exemplo eu sai de casa para buscar oportunidades de ensino e experiencia profissional, e se eu fosse colocar meu coração em frente a todas as decisões já teria voltado pra casa dos meus pais, pois tem dias que a saudade é quase insuportável.
    Bjs lindona amei texto :D

    Faça-me Bonita

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amei o que você escreveu, Adri! É exatamente isso, exatamente. Parabéns pela força, viu? Consigo imaginar. =(
      Beijos linda, obrigada por estar sempre aqui. <3

      Excluir

© Todos os direitos reservados | 2016
Desenvolvimento por: Larissa Mocellin (part.Jaque Design) | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo